Menu
são paulo 2020

Blog Dia Mundial da Criatividade

O que acontece em São Paulo

Você está em Blog DMC > São Paulo

Comunidade e Inovação possibilitaram a realização do WCD: Uma análise pós-evento


banner dmc

Entre as definições de inovação, uma delas é: o aperfeiçoamento de qualquer processo, que implique diretamente ou não no produto final ou uma forma nova e ágil de realizar o mesmo procedimento. Com certeza, a descrição pode ser aplicada à quinta edição do World Creativity Day, celebrado nos dias 21 e 22 de abril de 2020, em meio à pandemia de Covid-19, com uma metodologia única e exclusivamente desenvolvida para impedir que o vírus barrasse a realização do evento que à princípio seria completamente físico e presencial.

Além do Festival Criativistas, um amplo prelúdio com lives realizadas desde o dia 31 de março, os dois dias de comemoração contaram com 100 lives, 8.750 visualizações e mais de 1150 horas de atividades gratuitas para o público preencher a quarentena com conteúdo de qualidade e com propósito endossado pela ONU.

“O evento aconteceria de modo 100% presencial com oficinas, palestras e workshops em 15 países simultaneamente. Considerando que até então nunca um evento nessas proporções havia sido realizado de forma 100% online, podemos dizer que foi totalmente inovador o fato das pessoas terem que ficar em suas casas com a chance de acessar conteúdos voltado à criatividade, que é considerada uma das principais soft skills (habilidades) para o esse novo mercado de trabalho que estamos vivenciando”, avaliou Bruno José Garcia Carnelóss, diretor-presidente da Fundação Inova Prudente e gestor global das transmissões ao vivo do WCD.

8069aa16_5bee_4bd9_84e2_99035dfd3937

Convidamos Bruno Carnelóss a contar a conclusão a e mudança de formato de realização foi possível.

Como foi tomada a decisão de migrar a ação para o modo online?

Devido ao atual período de pandemia ao qual o mundo está passando e as medidas de proteção contra o COVID-19, a mais importante dela, o isolamento social, impossibilitou a realização presencial. Assim sendo, foi criado algumas ações online no intuito de não deixar o evento passar em branco esse ano. Por exemplo, o festival Criativistas com diversas ações a serem realizadas em casa, utilizando da criatividade para aproximar as família dentro de seus lares nesse momento tão delicado. Junto com o festival, a busca de como migrar o evento presencial para o online continuava incessante, tendo em vista que as datas previstas inicialmente se aproximavam. Eis que um amigo em comum fez a conexão entre Lucas Foster [líder global do WCD] e eu. Marcamos uma reunião remota e ao conversarmos um pouco sobre assuntos relacionado ao evento ele me perguntou: “Você acha que devemos continuar com o evento nesse formato?”. Eu respondi: “Tenho a certeza que deve continuar, afinal, agora mais do que nunca, a criatividade precisa ser coloca em prática e esse é o principal objetivo do evento”.

 

Vocês tiveram quanto tempo para fazer a mudança de estratégia?

Marcamos outra com a presença com responsável de TI (Jorge Garcia), para que entendesse melhor os processos internos para que fosse realizado o evento de forma 100% digital. Após entender e mapear todo processo, Lucas me retornou com a seguinte proposta: “Precisamos de alguém que coordene e faça a gestão das lives, o que me diz?” Eu: “Claro que sim, quantas serão?” Lucas: “Aí é que está o xis da questão, não sei lhe dizer.” Fizemos alguns cálculos rápidos tentando buscar alguma métrica, e chegamos a conclusão de que seriam aproximadamente umas 360 atividades, sendo de 30 a 50 lives inicialmente. Considerando que seria a primeira vez o evento que seria feito dessa forma e não sabíamos como os inspiradores iriam reagir sob esse novo contexto, a proposta foi aceita, o evento completou seu corpo de organização e seguimos os alinhamentos necessários faltando menos 30 dias para a data prevista chegar.

 

Como foi o grau de mobilização e como o WCD se organizou internamente para trazer a iniciativa à tona?

A mobilização eu considero como gigantesca. Afinal, o evento rompeu as barreias nacionais. Na minha visão, só foi possível a realização do evento nesse formato, pois havia pessoas certas nos locais certos, empenhadas em fazer acontecer as ações nos campos do conhecimento que mais dominam... Ah! E tinha eu de teimoso no meio.

Quais foram os principais desafios para implementar o projeto? Quantas pessoas foram envolvidas?

O principal desafio era fazer algo que ninguém nunca havia feito até então. Era para estar envolvidas 10 pessoas no processo das lives exclusivamente. Aceitei o desafio levando em consideração a mão de obra disponível que eu teria aqui, porém na prática não foi bem assim. Infelizmente, por questões técnicas não seria possível contar com tal mão de obra, sairia fora do controle e prejudicaria o andamento de todo o trabalho. Das 40 lives esperadas, a quantia subiu pra 50, 70 e chegou a marca de 100 durante os dois dias de evento. Prossegui com os processos traçados e desenhados para a realização, as lives aconteciam de 30 em 30 minutos com no mínimo três acontecendo simultaneamente até chegar ao pico das transmissões no dia 21/04, às 19h, com 12 simultaneamente.

 

Qual foi o grau de adesão de atividades e como os palestrantes responderam ao formato digital?

Considerando a velocidade que as ações precisaram ser tomadas com relação à mudança do presencial para o digital, os números apresentados ao final surpreenderam as minhas expectativas. Como citei, esperávamos 40 lives e, mesmo buscando direcionar os inspiradores a gravarem vídeos, o evento atingiu a marca de 100 lives. Era visível a satisfação dos inspiradores que optaram por fazer as atividades ao vivo, muitos nunca tinham tido qual experiência com lives e, posso falar, se saíram muito bem.

 

Que comentário deixaria para resumir o que aprendeu com o evento?

Um fator importante é: apesar de toda a tecnologia, inovação e criatividade envolvidas nessa edição do evento, o mais importante, principalmente neste momento da história que estamos atravessando são as pessoas. Tecnologia, inovação e criatividade são meio e não fim, as profissões não irão sumir, apenas se transformarão. Basta as pessoas estarem preparadas para essas mudanças e vejo o WCD como uma grande ferramenta pra que isso aconteça. Meus sinceros parabéns a todos que contribuíram de alguma forma e a todos q souberam aproveitado do conteúdo disponibilizado no evento.